Conheça melhor a Hipertensão Arterial
Voltar à lista

Qual é o risco de vir a ter HTA?

Estão identificados vários fatores de risco que podem aumentar a probabilidade de desenvolvimento de Hipertensão Arterial (HTA). Alguns, tais como a idade e a história familiar, não podem ser controlados. Mas os fatores de risco relacionados com atitudes, comportamentos e estilos de vida pouco saudáveis, quando corrigidos, poderão prevenir o aparecimento de HTA. Assim, pode ter-se um papel ativo na prevenção desta doença, através da adoção hábitos de vida saudáveis.

Fatores de risco para desenvolvimento de HTA

  • Idade: A Pressão Arterial (PA) tende a aumentar com a idade. Para tal contribui o fato dos nossos vasos sanguíneos perderem a sua elasticidade ao longo dos anos. Estima-se que cerca de dois terços das pessoas com idade superior a 65 anos são hipertensas, sendo este o grupo etário em que a hipertensão sistólica isolada (aumento isolado da PA sistólica) é mais frequente.
  • Raça: A HTA pode acometer qualquer pessoa. Contudo, é mais comum e tendencialmente mais precoce e grave em indivíduos de raça negra, comparativamente com os caucasianos.
  • Sexo: Antes dos 45 anos, a HTA parece ser mais frequente entre os homens. No entanto, a partir dos 65 anos, após o início da menopausa, são as mulheres que estão em maior risco de desenvolver esta condição.
  • Hereditariedade: A existência de uma história familiar de HTA aumenta a probabilidade de desenvolver esta doença. Este risco é ainda maior, quando para além de um fundo genético predisponente, são partilhados estilos de vida pouco saudáveis. Não se consegue controlar a hereditariedade, mas podem ser adotadas medidas para diminuir o risco de HTA (ver Viva Mais Saudável).
  • Obesidade: A obesidade é inquestionavelmente um fator de risco para doença cardiovascular. As pessoas com obesidade, para além de apresentarem um maior risco de desenvolver HTA, têm tendencialmente níveis mais elevados de colesterol e triglicerídeos e maior probabilidade de vir a ter diabetes e problemas cardíacos. A obesidade define-se como um Índice de Massa Corporal (IMC) superior a 30. Para determinar o seu IMC basta dividir o seu peso (em quilogramas) pela altura (em metros) ao quadrado.
  • Consumo excessivo de álcool: O consumo excessivo de bebidas alcoólicas pode aumentar significativamente a PA. Sabe-se que o álcool constitui a terceira causa de doença e morte prematura a nível mundial, sendo um fator de risco importante para várias neoplasias, doenças cardíacas, doenças hepáticas, depressão e suicídio. Assim, se tem por hábito ingerir bebidas alcoólicas, aconselha-se moderar o consumo: no homem não ingerir mais de 2 bebidas por dia (por exemplo 3,3 dl de vinho) e na mulher não mais de 1 bebida por dia (por exemplo 1,65 dl de vinho).
  • Tabagismo: É sobejamente conhecida a relação entre o tabagismo e os problemas respiratórios e cancro do pulmão. Mas, o consumo crónico e prolongado do tabaco também constitui uma causa importante de doenças cardiovasculares. O tabaco é um grande inimigo do seu coração. Se é fumador, notará imediatamente benefícios na sua vida diária se deixar de fumar.
    (
    ver Tabaco e Hipertensão Arterial)
  • Alimentação inadequada e consumo excessivo de sal: Uma dieta rica em calorias, com alto teor de gorduras saturadas e pobre em nutrientes essenciais é prejudicial à saúde e contribui para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares  (ver Alimentação Saudável). É sabido que um elevado teor de sal na dieta é, também, um importante fator de risco no aumento da PA. O consumo de sal em Portugal permanece cerca do dobro do valor recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) – menos de 5g por dia (ver Sal e Hipertensão Arterial). O consumo excessivo de sal, ao provocar um aumento do conteúdo de sódio nos fluidos corporais, contribui para a retenção de água e consequente aumento da PA.
  • Sedentarismo: Uma vida sedentária está intimamente relacionada com um maior risco de obesidade, HTA e doenças cardíacas. Assim, é importante que mantenha uma vida ativa, praticando regularmente exercício físico
    (
    ver Atividade física e exercício físico na Hipertensão Arterial).
  • Stress: Elevados níveis de stress podem aumentar temporariamente a PA, mas não está provada a relação entre o stress e a HTA. Não obstante, as pessoas expostas a situações de maior stress, têm habitualmente comportamentos e estilos de vida menos saudáveis que poderão influenciar o risco de HTA.
Próximo