Newsletter da SPH / Março 2021

Editorial do Presidente


Estimados associados,

Como é do vosso conhecimento decorreu entre os passados dias 26 e 28 de Fevereiro, o nosso 15º Congresso de Hipertensão e Risco Cardiovascular Global. A presidência deste Congresso coincidiu com um dos meus últimos actos enquanto presidente da Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH). Num momento de passagem de testemunho e perante um cenário de incerteza decorrente da situação pandémica que atravessamos, não podia estar mais orgulhoso do sucesso alcançado neste congresso: 2300 inscritos, cerca de 25% dos inscritos como assistência média em todas as sessões, um programa científico que não desmerece o dos anos anteriores apesar dos naturais ajustamentos, uma ampla participação e discussão (ainda que à distância)!

Mas, estamos todos cansados de passar muito mais tempo do que antes em frente ao ecrã do computador, com saudades da inestimável e insubstituível interacção pessoal que só a presença física permite. Esperemos que 2022 nos traga de volta um modelo de congresso que possibilite que conversemos face a face, que nos cumprimentemos com o toque do calor humano, que criemos e fortaleçamos as nossas redes de contacto.

Sem desprimor pelas sessões que aqui não mencionarei de forma explícita (e todas foram excelentes, e todas foram criteriosamente escolhidas pela zelosa Comissão Organizadora), permitam-me que destaque alguns dos momentos altos do 15º Congresso:

  • Logo no início do evento o Professor Neil Poulter desmontou e desmistificou, de forma brilhante, a questão da administração de medicação anti-hipertensora à noite, concluindo que com base na evidência científica disponível, a resposta à questão “devemos reduzir a pressão arterial nocturna recomendando a toma dos anti-hipertensores ao deitar?”, a resposta é não!
  • Pelo 2º ano consecutivo juntámos numa sessão os presidentes de 6 Sociedades Científicas a discutir assuntos que são transversais a todas elas; este ano, quase de forma inevitável, o tema foi “Os Desafios das Sociedades Científicas no Contexto Pandémico”; desta sessão saíram importantes mensagens e caminhos a trilhar, de forma a garantir um futuro “saudável” para as Sociedades, no que às vertentes científica e de envolvimento da população dizem respeito
  • A conferência do Professor Jorge Polónia actualizou-nos na discussão do momento: os novos medicamentos que, tratando a diabetes, reduzem os outcomes vasculares major (ou será o “contrário”, isto é, os novos medicamentos cardiovasculares que também reduzem a glicemia?); mais um momento indubitavelmente alto, orquestrado pela batuta deste excelente prelector
  • A habitual sessão conjunta com a Sociedade Europeia (ESH), que tive a honra de co-moderar, trouxe-nos alguma controvérsia relacionada com o papel do ácido úrico e com a dieta de baixo teor de sal, terminando com uma relevante comparação entre as guidelines europeias e da Sociedade Internacional de Hipertensão
  • Nunca será demais realçar uma sessão que, ainda que tradicional, representa sempre um momento alto, já que é nos cuidados de saúde primários (CSP) que se encontra a maioria dos hipertensos: refiro-me, naturalmente, à sessão magna com a Medicina Geral e Familiar, que este ano, centrada como de costume num doente da prática clínica diária, abordou as (inevitáveis?) mudanças nos CSP em tempo de pandemia
  • A actualização em COVID-19 e a sua relação com o sistema renina-angiotensina, e o panorama da pandemia em África, apresentadas respectivamente, pelo Presidente da ESH e pelo Professor Albertino Damasceno, culminaram um congresso vivo e muito participado, apesar dos constrangimentos motivados pela pandemia

Agradecendo uma vez mais a presença de todos, desde a Comissão de Honra que teve o mais alto patrocínio de Sua Excelência o Senhor Presidente da República, até à Indústria farmacêutica, passando pelos Convidados Institucionais, pelos revisores dos trabalhos científicos, pelas Comissão Científica e Organizadora, pelos palestrantes e moderadores, pelos nossos amigos estrangeiros e das Sociedades nossas congéneres, pelo secretariado e naturalmente por todos os congressistas, despeço-me com um
Até já!

Vitor Paixão Dias
Presidente da SPH para o biénio 2019-2021



 

Editorial do Editor-Chefe


A Newsletter da SPH foi um dos objectivos da Direcção 2019-2021, cumprido com sucesso no final do mandato e mostrando boa adesão por parte dos sócios. Nos últimos meses – e num curto período de tempo – fomos capazes de viver ora momentos de grande pressão ora de algum alívio nos Hospitais e Centros de Saúde sempre com o tema “pandemia” a ocupar grande parte da nossa actividade profissional e a encher publicações científicas e noticiários da sociedade civil. Ainda assim, pretendemos manter a HTA no centro da atenção dos portugueses – profissionais de saúde e utentes – visto que as doenças cardiovasculares continuam a ser a principal causa de morte em todo o mundo. O nosso 15º congresso foi um sucesso e serviu para nos dar mais força para que as actividades da SPH (presenciais ou via web) se mantenham. O desejo de que as actividades presenciais e participações internacionais possa ser retomadas é global, e trabalhamos todos para que seja o mais breve possível. Com esta publicação pretendemos continuar a divulgar artigos (sejam mais antigos mas relevantes para o currículo nuclear de HTA ou novidades relevantes), cursos/ formações, sendo que em breve teremos também o Dia Mundial de Hipertensão (Maio) a ocupar a nossa agenda.

Por agora, em formato digital apenas,
mas até breve,

Boas leituras!

Vitória Cunha
Secretária Geral da SPH para o biénio 2019-2021

 



 

Palavras...
 

Sir Colin Dollery e o autor, durante uma Reunião do Grupo de Estudos de Hipertensão Arterial da Sociedade Portuguesa de Cardiologia em Montechoro, Algarve (1980)


Professor Sir Colin Dollery - Obituário

 

O Professor Sir Colin Dollery, um dos nomes maiores no campo da Hipertensão Arterial e da Farmacologia Clínica, faleceu no passado dia 12 de Dezembro, com 89 anos.

Foi Director do Departamento de Farmacologia Clínica na Royal Postgraduate Medical School, Hammersmith, Londres e Professor de Medicina na mesma instituição. O seu campo de investigação abarcou diversas áreas, como a Hipertensão Arterial, a Asma Brônquica, alterações dos vasos retinianos na Diabetes e Hipertensão, efeitos secundários dos medicamentos e, na experimentação animal, acção de drogas no sistema nervoso central, etc.

A Consulta de Hipertensão que criou no Hammersmith tornou-se numa das maiores e mais reputadas no Reino Unido, tendo servido como treino de cientistas de todo o lado, que vieram a ocupar posições de relevo na Medicina, Farmacologia Clínica e Indústria Farmacêutica. Foi Presidente da European Society for Clinical Investigation e da International Union of Pharmacology.

Colin era um conhecedor de Portugal, tendo vindo várias vezes ao nosso país como turista. Esteve por 3 vezes em reuniões de hipertensão, no 1º Simpósio de Hipertensão, organizado pelo Prof. Nogueira da Costa em 1974 e depois nas Reuniões do Grupo de Estudos/Asociação da Hipertensão Arterial da Sociedade Portuguesa de Cardiologia, a meu convite, em Montechoro/Algarve e  Caldas da Rainha. Foi eleito, por unanimidade, Sócio Honorário da Sociedade Portuguesa de Hipertensão em 2006.


João Saavedra



 

Notícias:
A SPH mais próxima da comunidade

(clique nas imagens para aceder aos links)



Caso Clínico

(resposta e comentários no próximo número)

A Maria tem 60 anos é hipertensa diagnosticada há 20 anos, atualmente medicada com Perindopril+Indapamida+Amlodipina 5+1,5+5  mg qd. Na última consulta apresentava PA 135/79 mmHg. Fc 70 bpm. IMC 31,6 Kg/m2. MAPA com média diurna TA 127/75 mmHg, média noturna TA 139/89 mmHg, com valores sistodiastólicos noturnos não controlados. STOP BANG de alto risco. Qual consideraria abordagem mais adequada para a doente?

 

1) Otimizar medidas de estilo de vida, redução de peso e rever evolução tensional.
2) Otimizar medidas de estilo de vida e iniciar perindopril 5 mg ao deitar.
3) Otimizar medidas de estilo de vida e alterar horário da medicação para a hora de deitar.
4) Otimizar medidas de estilo de vida, orientar para consulta de Sono e rever evolução tensional. 


Agenda

(clique na imagem para aceder ao link correspondente)



Produção científica SPH

(clique na imagem para aceder ao link correspondente)

Se quiser receber, num futuro próximo, a Revista Portuguesa de Hipertensão e Risco Cardiovascular (orgão oficial da Sociedade Portuguesa de Hipertensão) em formato digital, clique aqui.




Outros artigos relevantes

(clique na imagem para aceder ao link correspondente)


Links Relevantes


Sociedade Portuguesa de Hipertensão
European Society of Hypertension
World Hypertension League
Facebook SPH
Ordem dos Médicos
American College of Cardiology (ACC)
American Heart Association (AHA)
American Heart Association Council for High Blood Pressure Research
Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar




Departamento de Hipertensão Arterial da SBC
Fundação Portuguesa de Cardiologia
Sociedade Brasileira de Hipertensão
Sociedade Húngara de Hipertensão
Sociedade Polaca de Hipertensão
Sociedade Portuguesa de Cardiologia
Sociedade Portuguesa de Medicina Interna
Sociedade Portuguesa de Neurologia
Sociedade Portuguesa de Periodontologia e Implantes
Facebook
Site
Instagram
Email
Reenvie para um colega ou amigo Reenvie para um colega ou amigo
Copyright © *|2020|* *|SPH|*, All rights reserved.

Nosso endereço electrónico:
geral@sphta.org.pt

Caso pretenda deixar de receber esta newsletter, ou tenha alguma sugestão acerca da mesma, envie email para geral@sphta.org.pt